terça-feira, 4 de abril de 2017

''ACCA: 13-ku Kansatsu-ka'' Não Empolgou, Mas Deixará Saudades


Resumindo: gostei por não ter gostado.

Visualmente chamativo para a minoria, e plot entediante para o mainstream, ACCA: 13-ku Kansatsu-ka foi um anime estranho (até no nome) no sentido de não entregar tudo o que pretendia, e que de certo modo, poderia. Foram 12 episódios exibidos nessa temporada de inverno de 2017, de pura construção de algo que, no fim das contas, não era nada tão grandioso e surpreendente assim. Porém, ele deixará saudades por ser o ''patinho feio'' da temporada. Usando a linguagem da molecada, o ''diferentão''. Não há dúvidas que é de animes assim que anda em falta. Daqueles que fogem do óbvio, e buscam criar dentro das ferramentas existentes, algo de difícil comparação. E Acca é um deles.

Se eu fosse te dizer o plot, resumiria em palavras chaves como;  corporação investigativa + pão + guloseimas + protagonista antipático + ambientação bonita + episódios calmos + roteiro misterioso. O estúdio Madhouse não mediu esforços para trazer um anime tecnicamente bonito do começo ao fim, e com toda certeza, foi um dos que mais manteve essa qualidade no ar por mais tempo nessa temporada passada. Meus olhos certamente agradeceram, pelos lugares visitados durante o anime, bem como todo o jogo de cores escolhido em cada cena. Acredito que a imersão de universo, acabou sendo uma característica bastante verídica neste anime, e por consequência, um dos pontos mais altos da obra. É também por sua vez, elogiável o carácter designer dos personagens, que com seus cabelos coloridos e penteados diversos, causaram certa distinção em cada um. Todos os envolvidos na parte técnica, estão de parabéns. Incluindo o diretor Shingo Natsume, que conduziu bem a carruagem da produção.

Vale ressaltar antes de mais nada que Acca é adaptação de um mangá de 06 volumes finalizados de Natsume Ono, pela revista Monthly Big Gangan. 


O reino de Dowa,  é subdividido em 13 estados, e está comemorando o aniversário do seu monarca 99th. Estes treze estados têm muitas agências que são controladas pela organização gigante conhecida como ACCA. Na ACCA, Jean Otis é o segundo em comando da agência de inspeção. Sua agência tem 10 pessoas colocadas em cada um dos 13 estados, com um escritório central na capital. Eles acompanham todas as atividades da ACCA em todo o reino, e mantêm dados sobre o escritório de cada estado do ACCA fluindo em direção ao escritório central. Jean também muitas vezes tem viagens de negócios da capital para os outros distritos, para verificar a situação e pessoal de lá.

Acca é sobre muitas coisas, mas ao mesmo tempo, é sobre nada. E é justamente por isso, que no fim das contas, pra mim acabou sendo uma obra confusa. Porque eu não consegui enxergar um propósito ou uma mensagem por trás da obra. São episódios inteiros dedicados à um mistério, que não é tratado com muita urgência. Logo, o clímax é extremamente morno, o que afasta qualquer suposta empolgação em quem assiste. O bom do suspense são às pistas, às descobertas, às dúvidas, já em Acca não dá pra sentir aonde o barco está indo. Eu adoro obras que dá uma liberdade para o público interpretar e se perder na história, eu por exemplo, amo Twin Peaks. E apesar de Acca se assemelhar em alguns aspectos (desde à compulsão por rosquinhas até o clima ''que caraios está acontecendo''), nada é mostrado de uma maneira curiosa. Falta malícia. Humor, Ironia. Enfim, qualquer coisa que temperasse à história como merecia. E isso não é culpa do diretor, ao meu ver. Acredito que seja um problema que venha do mangá - apesar de eu não ter lido. Vi muita gente reclamando do anime ser parado, mas esse não é o X da questão. Existem muitos animes lentíssimos que são ótimos. Acca possui um problema mais sério, que é; não acrescentar nada que estimule o interesse pelo o que o está acontecendo.

Os personagens é outro caso semelhante. Não tem nenhum que sustente a história, que puxe, que arraste, que levante a trama à um novo patamar. Que direi eu então do protagonista Jean, que com sua cara de tédio, não sabe fazer outra coisa à não ser reagir - como disse o Kitsune no Video Quest recentemente. Com seu carisma zero, Jean só serviu pra fazer o papel do público que estava assistindo ali. Já os outros personagens secundários, sequer guardei o nome de um. Não me importei com ninguém, cada um só tinha de maneiro a cor do cabelo mesmo e os penteados - apesar que isso pode ser considerado uma característica clichê.  

Gostaria muito de falar bem de Acca, afinal, eu gostei do estilo dele. O conceito de universo, a ideia de um suposto golpe prestes à acontecer, todo o visual leva a crer em algo grandioso. Num anime que talvez não fosse o melhor do ano, mas que no fim tivesse algo à dizer mais claramente. Se Acca fosse tudo àquilo que demonstrava ser na abertura por exemplo - que alias é maravilhosa - teríamos uma obra pra se lembrar orgulhosamente depois de alguns anos. 

No entanto, apesar dos pesares, não me arrependo te ter acompanhado esse anime. Eu realmente senti falta de uma obra assim na temporada. Porque mesmo que o plot não funcione de um jeito inteligente, divertido, ou prazeroso, o único ponto que posso elogiar com a boca cheia é o fato dele se destacar dos demais. Já vi muito anime que é ruim e só. Não fede e nem cheira daqui uns dias. Mas esse, além de não ser uma das piores coisas que assisti ultimamente (alias, está longe disso), vai deixar um vazio bastante considerável. À propósito, eu já senti os efeitos de sua ausência ao fazer minha listinha do que pretendo assistir nessa nova temporada. É só bater o olho pra perceber que tudo parece a mesma coisa. O novo Sword Art Online, o novo K-on, e assim vai. Acca desde o princípio me fez coçar a cabeça e pensar ''Com o que será que isso se parece?'', ''que porra de história é essa'', ''sobre o que ele é afinal de contas?''. Oras, se eu estou vendo um anime com uma pegada mais madura, questionamentos assim são sempre bem vindos. Chega uma hora na vida que a gente não quer ver mais só mais uma boa história. Às vezes, é necessário algo que desafie. Que coloque na nossa frente uma charada pra decifrar. Não necessariamente de um jeito filosófico, nem nada do tipo. Apenas que nos tire da zona de conforto, e nos dê uma laranja pra descascar. Nada com muitas teorias, somente diversos ângulos pra se encarar a história, é mais do que suficiente.

Sinto que os animes estão sendo cada vez mais expositivos, e mesmo que Acca não diga para a que veio (que a trama possa ser desinteressante e os personagens possam ser descartáveis) ainda sim, ele merece uma medalha pelo seu mérito conquistado em não ser óbvio demais. Até agora eu não sei se ele é uma erotização de comida, uma fábula de turismo, ou apenas um conflito familiar. E sinceramente, não importa.  Por fim, Acca foi uma experiência que valeu a pena, embora seja contido na hora de extasiar quem assiste pelos motivos citados.

Na minha opinião, uma obra que tenta algo novo, vale mais que um anime que é apenas bom e igual à todos os outros. Sentirei falta.






----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Se é novo por aqui, curta a Nave Bebop no Facebook e siga também no Twitter. Para perguntar algo, consulte nosso Curious Cat. Não se esqueça que comentários são bem vindos! Obrigada pela visita e até mais! See you

Nenhum comentário:

Postar um comentário